quinta-feira, 20 de outubro de 2011

"Cocó – Quem salvará o que resta?"

Com o título “Patrimônio natural de Fortaleza: quem salvará o que resta?”, eis o editorial do O POVO desta quinta-feira. Aborda mais uma avanço sobre áreas de preservação do Cocó.

A comunidade fortalezense assiste a um novo episódio da batalha jurídica travada por segmentos empresariais imobiliários para revogar a lei municipal que criou a Área de Interesse Ecológico nas Dunas do Cocó, em 2009 – uma das últimas reservas do rico patrimônio natural de Fortaleza.

Uma sentença emitida terça-feira por um juiz singular determinou que o Município conceda licenciamento ambiental para um loteamento particular naquela área. Caso seja efetuada (cabe ainda recurso ao Tribunal de Justiça do Estado – TJCE) danos irreversíveis poderão comprometer os ecossistemas ali existentes, antes que se consiga restabelecer o respeito à vontade da maioria dos habitantes de Fortaleza, encarnada na lei aprovada pela Câmara.

Para atender à ação ajuizada pela Associação Cearense dos Empresários da Construção e Loteadores (Acecol), o magistrado baseou-se em um Termo de Ajustamento de Conduta elaborado (pasme-se) por uma procuradora da 1ª Promotoria do Meio Ambiente e uma contrapartida solicitada a Acecol pela Guarda Municipal e Defesa Civil de Fortaleza.

Estariam instâncias municipais entrando em rota de colisão com o compromisso público da Prefeitura de garantir a preservação daquela área? Eis algo que é preciso ser esclarecido.
De qualquer forma, a esperança agora é que o TJCE venha em socorro dos interesses mais amplos da população de Fortaleza – para cuja qualidade de vida a preservação daquela área é fundamental – e reponha as coisas no lugar.

A evolução ocorrida no campo da hermenêutica jurídica distancia-se cada vez mais da camisa-de-força formal, para dar relevância aos princípios que fundamentam o interesse social e os direitos coletivos, tendo como base uma percepção mais ampla da realidade social, ambiental e cultural. Por essa visão, o juiz não deve agir como simples aplicador automático dos códigos legais e processuais, mas fazer a interpretação que atenda ao verdadeiro senso de Justiça.

O  importante é que habitantes de Fortaleza – sobretudo gerações vindouras – não sejam desfalcados da última relíquia natural que sobrou, como resultante da visão equivocada de desenvolvimento.

FONTE: Blog do Eliomar

3 comentários:

  1. História mal contada mesmo... especulação imobilária sempre bombando em Fortaleza, passando por cima de "tudo"!

    ResponderExcluir
  2. Pode parecer utópico, mas eu ainda tenho fé que as pessoas vão cair em si sobre o problema do desmatamento.

    ResponderExcluir
  3. Giovani Nogueira de Limasex out 21, 09:29:00 AM

    Ok. Temos o problema. Temos os responsáveis. E podemos propor soluções.

    Quem vai a luta? Quem vai fazer?

    Huuuummmm! Não seria esta a principal questão?
    A apatia de vermos o que ocorre, sabemos quem gera o problema e o motivo, sabemos a solução, mas não nos movimentarmos?

    Fica a reflexão e disponibilidade para mobilizações.

    ResponderExcluir